Sobre mim

 

O objetivo desse blog é ser um álbum virtual das minhas viagens desde 1997.  Em cada uma delas, tento passar um pouco do que vivi. Espero que goste e volte sempre para ver as novidades.
Para conhecer meu trabalho como fotógrafo profissional, visite meu novo site www.adilsonmoralez.com.br

Contato
E-mail:
adilson@ecofotos.com.br
(c) Ecofotos, 2017, Fotografia

Esta viagem fez parte das nossas férias de Agosto/2007 onde em 20 dias eu e minha esposa percorremos 5.150 km desde São Paulo passando por Foz do Iguaçu, Argentina, Uruguai e retornando por Chuí no sul do Brasil. Essa foi minha segunda vez no parque nacional de Foz do Iguaçu e desta vez aproveitamos para conhecer também o lado argentino. Apesar da viagem ter sido única está divida em quatro posts no site: Foz do Iguaçu, Argentina, Uruguai e Aparados da Serra. Veja no final deste post as opções de navegação.

De Foz Do Iguaçu à Buenos Aires De Carro – Confira O álbum De Fotos (mostrando 30 De 40 Imagens)

Flickr Album Gallery Pro Powered By: Weblizar
Dia 1 – Foz do Iguazu – Posadas

Após sairmos do Parque do Iguazú seguimos para Posadas, capital do departamento (estado) de Missiones que fica a 300 km do parque. Aí houve um erro de planejamento de minha parte, pois não sabia que as missões jesuítas ficavam cerca de 50 km antes de Posadas. Como chegamos lá no final da tarde já não havia mais luz para fotografar e não valia a pena dormir por ali, pois as instalações eram muito simples. Resultado: acabamos indo direto para Posadas e abortamos a idéia de conhecer as ruínas. Posadas é uma cidade grande e não oferece grandes atrações turísticas. Procuramos um hotel e fomos jantar.

Dia 2 – Posadas – Concórdia

Acordamos cedo e partimos em direção a ruta 14 que nos levaria até o departamento de Corrientes. Notamos uma diferença no relevo e paisagem, pois em Corrientes praticamente se está no pampa e a vegetação é bem rasteira e predominam as planícies. Dirigir neste trecho é bastante interessante, pois apesar de haver muito caminhos eles desenvolvem boa velocidade e as ultrapassagens são seguras, pois há grande visibilidade.

Um problema é a falta de postos de combustíveis e restaurantes. Se programe para abastecer o tanque e estomago nas cidades. Outro problema é afundamento do asfalto devido ao peso dos caminhões tornando a dirigibilidade mais difícil em certos trechos. Nossa parada para almoço foi em Paso de los libres, que faz divisa com Uruguaiana no Brasil. Com o objetivo de conhecer o parque nacional El Palmar, decidimos dormir em Concórdia e conhecer o parque com calma no dia seguinte. Aproveitamos o fim de tarde para conhecer a cidade e dormir cedo.

Dia 3 – Concórdia – Gualeyguachú

Deixamos o hotel às 9:20h e partimos para o parque que fica cerca de 60 km. Como era uma terça-feira praticamente éramos os únicos no parque. Fizemos algumas caminhadas e muitas fotos das inúmeras palmeras que dão nome ao parque. Almoçamos no próprio parque e seguimos para Gualeyguachú. Um dos pontos interessantes da cidade é o grande número de carros antigos e pequenos da citroën, peugeou e renault. Fiz várias fotos e até fui surpreendido por uma proprietária que ao me ver fotografando veio conversar e dar detalhes do carro. Ficamos num hotel muito bom com uma bela vista para um rio Gualeyguachú.

Dia 4 – Gualeyguachú – Buenos Aires

Mantivemos a tradição de acordar às 7h e após um bom café com um lindo visual para o rio saímos para uma pequena volta do parque do outro lado do rio e seguimos viagem pela rota. 14. Logo em seguida a rodovia se tornou pista dupla e ficou mais fácil dirigir e a viagem rendeu mais. A primeira decepção com o país veio um pouco antes de Zarate, quando fomos parados numa barreira policial pela oitave vez e o guarda após pedir extintor, triângulo e cambão foi criar caso com meu engate que passava apenas 3 cm do pára-choque. A priori a multa seria de $ 650 que poderia ser perdoa mediante o suborno de meros $ 350. Após muito choro acabou ficando por $50 + R$ 50. Hijo de puta!

Bem, seguimos viagem e fizemos uma parada num posto em seguida para confirmar os mapas e acabamos chegando a Buenos Aires sem maiores problemas. O hotel foi a segunda decepção do dia, mas contornamos trocando de quarto. Saímos na seqüência para conhecer a Calle Florida, Av. 9 de Julio e a região central. No final da tarde fomos ao Buquebus e para compramos o ticket para a travessia para o Uruguai depois de amanhã. A noite fomos jantar em Puerto Madero com meu amigo Pablo.

Dia 5 – Buenos Aires

Hoje o dia começou meio complicado e bem frio. Havíamos marcado um city tour que deveria começar às 9:15h, porém, como até 10:15h eles não apareceram cancelamos e fomos fazer o tour pelos principais bairros de táxi. Inicialmente fomos ao bairro de Palermo. Mas devido ao frio e vento intenso acabamos indo para shopping para aquecer um pouco e ainda arriscamos conhecer o jardim japonês. Como não dava para ficar em ambientes externos fomos de táxi até cañitas, uma subdivisão de Palermo com muitos restaurantes.

Acabamos escolhendo um que acabou não sendo um dos melhores. Em seguida fomos até o Jumbo Palermo para comprar vinhos e chocolates. De lá voltamos para o hotel para deixar as compras e fomos de táxi para San Telmo. Tomamos um chá e café num barzinho transado, porém de garçom chato. Como o tempo havia melhorado caminhamos toda a extensão de Puerto Madero, visitando a fragata e de lá praticamente caminhamos até o buquebus (barco que faz o translado para o Uruguai). Como o tempo não estava tão bom e a Márcia não morreu de amores por Buenos Aires decidimos partir no dia seguinte para o Uruguai.

Dia 6 – Buenos Aires – Colônia

Mantendo a precaução que sempre temos, acordamos 6:30h, café às 7:15h e saímos antes das 8h para tomar o buquebus. Como não sabíamos exatamente a logística achamos melhor não arriscar. E foi muito bom, pois no terminal o movimento é bem intenso e não podíamos correr o risco de perder o barco. No final deu tudo certo e o maior estresse foi ter que me separar da Márcia, pois só o motorista pode embarcar com o veículo.

Uma vez lá dentro tudo deu certo e a viagem foi super confortável e praticamente não se percebe que se está num barco. O barco é super confortável com área para alimentação, local para show e até um duty free. No deck há bastante espaço para apreciar o visual e tomar sol. Nesse dia apesar de frio o tempo estava bonito.

Dicas para viajar para Argentina

  • Registre seus equipamentos eletrônicos na fronteira;
  • O RG (recente) é aceito normalmente ou o passaporte;
  • É necessário fazer a carta verde junto ao seu corretor de seguros;
  • São exigidos nas barreiras policiais: 2 triângulos, extintor e cambão;
  • Sempre transite com faróis acesos;
  • Evite qualquer acessório não original (faróis auxiliares, guinchos externos, quebra-matos e engates) ou esteja preparado para subornar os policiais;
  • Cuidados com os sinais dos caminhões para ultrapassar: seta para esquerda significa caminho livre para ultrapassar (exatamente oposto ao Brasil);

Principais dados da viagem
Data: de 04 a 24 de agosto de 2007
Distância percorrida de carro: 5.150 km saindo de São Paulo capital
Principais cidades visitadas: Cambé-PR, Foz-PR, Posadas(Arg), Concordia(Arg), Colon(Arg), Gualeguaychu(Arg), Buenos Aires(Arg), Colonia(Uru), Montevideu(Uru), Punta del Este(Uru), Chui-RS, Porto Alegre-RS, Praia Grande-SC, São José dos Ausentes-RS
Paque Nacionais visitados: Foz do Iguaçu, El Palmar (Argentina) , Aparados da Serra e Serra Geral
Roteiro em excel – Argentina – Uruguai
Tracklog de GPS – Argentina – Uruguai

:::

Confira o áudiovisual dessa viagem


Demais trechos desta viagem:

Deixe um comentário