EcoFotos | Viaje pelo mundo da fotografia

[MG] P.N. Serra da Canastra

Criado em 1972, o Parque Nacional da Serra da Canastra conta com uma área aproximada de 71.525 ha., está localizado na região sudoeste do Estado de Minas Gerais abrangendo os municípios de São Roque de Minas, Sacramento e Delfinópolis. Apresenta dois importantes maciços: a Serra das Sete Voltas e a Serra da Canastra, com altitudes variando entre 900 e 1.496m.

:::

Confira a galeria de fotos dessa viagem

Situado no divisor de águas entre as grandes bacias do Rio Paraná e São Francisco, o Parque possui uma extensa rede de drenagem formada principalmente por rios de pequeno porte e inúmeras nascentes, sendo a principal e mais famosa a nascente do rio São Francisco, rio considerado de integração nacional que percorre mais de 3.000 km e que é de fundamental importância para a sobrevivência das populações ribeirinhas.

As escarpas e paredões que circundam o chapadão permitem a formação de inúmeras corredeiras e cachoeiras de rara beleza. Abrigando a valiosa nascente do rio São Francisco, o parque Nacional da Serra da Canastra possui esse nome devido à semelhança apresentada pelo imenso chapadão que, ao ser avistado de longe, parece ter a forma de uma canastra ou de um baú. Na serra nascem inúmeros cursos d’água, tributários do São Francisco que formam, na parte alta do Parque, piscinas naturais de excepcional beleza.

Clima

As temperaturas médias mensais variam de cerca de 17ºC, no mês mais frio (julho) a cerca de 23ºC nos meses mais quentes (janeiro e fevereiro). O índice pluviométrico apresenta seca no inverno podendo-se, portando, aproveitar melhor a visita no período de abril a outubro.

Vegetação

As formas vegetais da região são constituídas, em sua grande parte, por campos, campos rupestres, e em menor escala por cerrados e matas ciliares. Nos campos destacam-se várias espécies da família Graminea, que periodicamente embelezam o cenário com suas florações coloridas. As “canelas-de-ema’ e arnica são as espécies que predominam em áreas de maior altitude (acima de 800m), onde ocorrem os campos rupestres.

Fauna

Com relativa facilidade é possível encontrar pelos caminhos espécies ameaçadas de extinção como o lobo-guará e tamanduá-bandeira. A fauna do Parque constitui-se em atração turística da Unidade pois os visitantes têm a oportunidade de observá-la, na maioria dos casos, livre em seu habitat, principalmente na parte alta da Unidade, nas primeiras horas da manhã ou ao entardecer. Dentre outras, são espécies encontradas no local o tatu-canastra, além de outras espécies de tatus como o tatupeba, tatu-galinha, e tatu-de-rabo-mole, o cachorro-do-mato, a lontra, o veado-catingueiro, o veado-campeiro, o macaco-prego, o guaxinim, e ainda aves como a ema, siriema, perdiz, codorna, tucanaçu, curicaca, gavião, coruja, pato-mergulhão e a tesourinha. Há evidências que o parque faz parte da rota de aves migratórias.

Atrações

As paisagens são, também, grandes atrações do Parque Nacional da Serra da Canastra. A ausência de vegetação de grande porte, combinada com os contrates de relevo, permitem ao visitante perceber imensas vistas panorâmicas do Parque e da região. Além disso, as cachoeiras, as piscinas naturais formadas pelos diversos cursos d’água inclusive pelo rio São Francisco e a fauna abundante são atrações à parte da área.

Nascente do rio São Francisco

Na parte noroeste do Parque, no Chapadão da Serra da Canastra, a apenas 6,5 km da portaria, poderá ser visitada a nascente do rio São Francisco, que após percorrer 3.161 km vai desaguar no oceano Atlântico, entre os Estados de Sergipe e Alagoas, levando vida a milhões de seres, a uma das regiões mais secas do país.

Cachoeira Casca D’Anta

Na parte alta da Casca D’Anta, a poucos quilômetros da nascente do São Francisco, o turista poderá visitar e desfrutar das primeiras quedas d’água e de várias piscinas naturais. Neste ponto, na grande parede do chapadão, o rio tem uma queda livre de cerca de 200m, formando a mais importante cachoeira de toda a região: a Casca D’Anta.

As caminhadas no Parque

Fazer caminhadas no Parque Nacional da Serra da Canastra e extremamente gratificante, não só pelas magníficas paisagens proporcionadas pela vegetação de seus campos, como pela grande possibilidade de se ver algumas espécies de maior porte como o tamanduá, o lobo-guará, o veado e várias aves que ali têm o seu habitat.

Alguns conselhos importantes

  • Observe e respeite a sinalização;
  • As pedras das cachoeiras e riachos são lisas. Muita atenção para evitar acidentes;
  • Como as temperaturas variam muito, informe-se sobre as condições climáticas na época de sua visita;
  • Utilize calçados confortáveis e seguros;
  • Use bonés, chapéus e filtros solares para evitar desagradáveis queimaduras de peles;
  • Ande sempre acompanhado. Evite caminhar sozinho;
  • Evite aventuras ousadas; caminhe sempre pelas trilhas, não se locomova com cerração e utilize guias para excursões;
  • Siga sempre as orientações dos funcionários;

Atitudes que você deve evitar para preservar este ambiente:

  • Descuidar com cigarros ou outros objetos que possam causar incêndios;
  • Entrar no Parque com armas, facões, anzóis e bebidas alcóolicas;
  • Colher frutos, flores, sementes, mudas ou lenha para fogo;
  • Perseguir, apanhar ou molestar animais;
  • Poluir ou fazer necessidades fisiológicas nas águas;
  • Jogar lixo nas trilhas e dependências do Parque;
  • Danificar os elementos naturais e instalações do Parque;
  • Trafegar em alta velocidade ultrapassando o limite permitido;
  • Trazer cães, gatos ou outros animais domésticos para o parque;

Fonte: Catálogo do Parque
Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal – MMA
Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis – IBAMA

São Roque de Minas

O município, que passou por grandes transformações desde sua emancipação, vem se destacando como um dos pontos de ecoturismo mais belos do país, com lindas cachoeiras, rios de águas cristalinas, grutas, belos animais, longas trilhas para os amantes de uma boa caminhada seguida de um grande charme de aventura e uma infinita variedade de belezas naturais difíceis de serem descritas.

São Roque de Minas é atualmente um dos mais belos refúgios para pessoas de ambas as idades que querem fugir dos grandes centros e da poluição. O município, que possui 2.099 km2, tem como atividades econômicas a agricultura, a pecuária e vem se destacando também no cenário turístico, 80% do Parque Nacional da Serra da Canastra, criado em 1972 como área de preservação permanente, pertence ao município, constituindo um expressivo ponto turístico.

O Parque Nacional da Serra da Canastra possui uma excelente infra-estrutura para acolher bem o turista, oferecendo área para camping, com churrasqueiras, sanitários, banheiros, quiosque e uma equipe técnica que orienta os visitantes sobre o que é uma reserva ambiental. O Parque é dotado de uma imensa variedade de animais e plantas, até mesmo animais em extinção com o pato-mergulhão, o lobo-guará, o tatu-canastra, o urubu-rei e o tamanduá-bandeira.

Dentro do Parque, na parte alta, encontra-se a nascente de um dos mais importantes rios do país: o Rio São Francisco, rio de integração nacional. Na parte baixa, a bela cachoeira Casca D’Anta, cartão postal, impõe seu magnífico véu de águas cristalinas. No imenso chapadão podem-se encontrar várias outras cachoeiras, cada uma com seu encanto. Devido a todas essas belezas, o município de São Roque tem sido procurado semanalmente por pessoas de todas as idades para descobrir o que é viver numa cidade em que a sua maior virtude é a natureza.

Além dos encantos do Parque, São Roque de Minas possui ao seu redor uma grande quantidade de belas cachoeiras, matas, córregos límpidos e uma enorme variedade de animais silvestres. A cidade dispõe também de belos artefatos, feitos por artesãos locais, em tricô, crochês, colchas feitas de retalhos, cobertas confeccionadas no tear, pinturas feitas em quadros, vidros e o mais procurado de todos, o famoso queijo canastra.

São Roque de Minas, uma terra de gente simples
e hospitaleira, local de tantas belezas,
difícil de ser visitado uma só vez.

Visite São Roque de Minas e conviva com as mais
expressivas dádivas da natureza.

Fonte: Catálogo de São Roque de Minas
Departamento de Municipal de Proteção ao Meio Ambiente

Meu roteiro

Durante quatro ótimos dias de junho de 1999 tive o enorme prazer de estar no Parque Nacional da Serra da Canastra, onde pude conhecer boa parte dele e ainda o pacato município de São Roque de Minas. No texto abaixo tentarei dar uma idéia do parque e do município.

Hospedagem

Distante cerca de 62 km de Piumhi por estrada de terra, São Roque é um município muito simples, por isso não espere encontrar hotéis com grandes infra-estrutura, mas você certamente encontrará pousadas simples com a típica hospitalidade do Sul de Minas. A pousada melhor estruturada é sem dúvida a Pousada Barcelos , equipada com quartos com banheiro privativo, frigobar, sauna, piscina e sala de TV. Outra opção é o Hotel Farias, da Dona Paula, bem mais simples, com banheiro coletivo.

Cidinha, Sanzio e euA minha opção foi a Pousada-Fazenda, que além de ter o melhor preço, me conquistou pela simpatia de seus proprietários Sanzio e Cidinha. Outro fato que cativou – inclusive justifica o nome da pousada – é que apesar de sua fachada ser de uma casa normal, seu quintal é uma fazenda com direito a curral, cavalos e o mais importante: leite tirado na hora para o café da manhã. Aqui vale a receita do Sanzio: 1 colher de açúcar e 1 colher de conhaque de alcatrão São João da Barra. Realmente dá certo, o leite fica muito saboroso.

Como as pousadas não oferecem jantar, a opção são os restaurantes da cidade. Uma grande sugestão é o Zagaia Bar Restaurante e Pizzaria. Ao visitá-lo procure pelo Antonio Rabelo (Toninho), e peça a ele para tocar o CD do Pedro Boi. Sente-se numa mesa tranqüila, tome uma cerveja geladinha, peça um bom prato mineiro, preste atenção às letras das músicas e sinta o clima que esta combinação proporciona.

O Parque

Para se visitar o parque é imprescindível um carro, pois a entrada do parque fica a 6,5 km da cidade através de estradas de terra, que estavam em ótimas condições na época. Paga-se uma taxa para ingressar no parque que funciona das 8 às 18 h. Não deixe de passar pelo centro de visitantes para receber informações sobre ele. Por ser muito extenso, 73 km, prepare-se para longos percursos de carro até as atrações, mas permita-se parar o carro e caminhar aproveitando a bela vista. Para ter uma idéia das atrações veja os mapas.

Uma ótima caminhada é a trilha que vai da parte alta à parte baixa da Casca D’Anta. São praticamente 3 horas, ida e volta e sem dúvida alguma vale a pena vê-la dos dois ângulos.

Em meu último dia no parque decidi atravessá-lo, saindo pela portaria de Sacramento e então passar em Delfinópolis os meus dois últimos dias de férias. E foi justamente nesta travessia que tive a melhor sorte para avistar e fotografar os animais. Só neste dia consegui registrar o lobo-guará, tamanduá-bandeira e o veado-campeiro, além de algumas aves que avistei, mas não consegui trazer a foto.

O parque estava fazendo uma pesquisa com seus visitantes visando definir se mantém ou não a permissão de bebidas alcoólicas e churrasqueiras na parte baixa do parque. No meu entender parque nacional não é lugar de churrasco e muito menos álcool. Se concordar comigo não deixe de expressar sua opinião.

Serviços

Parque Nacional da Serra da Canastra

Pousada Barcelos

Pousada Fazenda

Participe! Comente aqui