EcoFotos | Viaje pelo mundo da fotografia

[MT] Pantanal Norte

O pantanal norte (MT) está localizado cerca de 100 Km a sul de Cuiabá, e é considerado patrimônio mundial da humanidade pela UNESCO. Ocupando uma área de mais de 135.000 Km2 é composto basicamente de campos e áreas inundáveis.

A transpantaneira, com cerca de 150 km, é a única forma de se deslocar enquanto a planície não está totalmente seca. E é através dela que se tem acesso às fazendas/pousadas da região. Construída na década de 70 ela está alguns metros acima das águas e possui mais de 100 pontes para permitir a passagem das águas de um lado ao outro.

:::

Confira a galeria de fotos dessa viagem

Porém, na época das cheias é muito provável haver pontos de alagamentos impossibilitando a passagem de carros e até mesmo o mais valente 4×4. Muitas pontes estão em mau estado de conservação e podem ser um problema durante a cheia.

Dia 1 – Pousada Piuval

Após chegar de Nobres, me dirigi até a agência Anaconda onde fechamos os últimos detalhes da viagem e me foi apresentado o seu Antonio – meu guia nos próximos dias. Apesar de seus 80 anos ele tem disposição de 18. Pantaneiro de nascença, conhece a região como a palma da mão além de ser amigo de cada morador.

Após passar por Poconé entramos na transpantaneira e poucos quilômetros depois chegamos à pousada Piuval. Após ajeitar as coisas já sai para uma cavalgada com um dos guias locais. Apesar de ser uma das primeiras pousadas da estrada a Piuval tem uma vasta vida selvagem e um excelente visual, pois está de frente para planície alagável. Num passeio de cerca de duas horas consegui excelentes fotos de tuiuiús, garças, gaviões, emas, marrecas, gaivotas, araras, etc.

Ainda voltamos a tempo de fotografar as aves no dormitório – local onde elas se agrupam para dormir. Retornando para a Piuval ainda consegui um belo pôr-do-sol. A pousada estava bem agitada, pois estavam gravando uma novela na região. Como não podia faltar, à noite tivemos uma apresentação de música sertaneja com o Peixinho, animador nas pousadas.

Dia 2 – Jaguar ecolodge

Como parte do ritual dos próximos dias, acordamos às 5h e fomos até o lago ver o nascer do sol. Quanto o sol começa a despontar é impossível sobreviver sem um repelente J

Após a seqüência de fotos retornamos para a pousada para o café da manhã e em seguida partimos para explorar a transpantaneira passando por várias pousadas pelo caminho. No caminho tivemos o privilégio de ver um casal de tuiuiús construindo seu ninho. Por sua vez, os periquitos se aproveitam do trançado de gravetos e também fazem do ninho sua moradia.

Foi uma manhã proveitosa com muitas fotos de animais e aves. O almoço estava agendado no Hotel Matogrosso, localizado ao lado do rio Pixaim. Lá reencontramos o Peixinho, que acariciava jacarés no rio.

No final do dia chegamos ao Jaguar ecolodge. Jantamos cedo e às 9h já estávamos dormindo. Além do cansaço do dia, o gerador é desligado antes das 22h.

Dia 3 – Porto Jofre e pousada Araras

Mantendo nosso ritual, acordamos às 5h e partimos para um lago há cerca de 20 min para contemplar mais um nascimento do sol. Logo de saída vimos uma jaguatirica, mas infelizmente ainda estava escuro para fotos. Como não valia a pena retornar para o café, tomamos o nosso na própria estrada. No caminho avistamos muitos animais dentre eles vários grupos de capivaras que de tão acostumadas, mal davam caminho para o carro.

O ponto final da estrada é Porto Jofre no rio Cuiabá, que faz a divisa com Matogrosso do Sul. Após várias fotos iniciamos o caminho de volta. Quando passamos novamente pelo Jaguar Ecolodge, peguei a bike enquanto o seu Antonio trouxe meu carro. Pedalei por 25 km e foi uma grande experiência poder ouvir os pássaros sem o barulho de motor.

Por volta de 15h chegamos à pousada Araras e após nos instalarmos fui direto para a torre de observação. Construída em madeira ela ultrapassa as copas das árvores de onde se obtém uma vista de 360º da planície. O pôr-do-sol de lá é imperdível. Outro ponto alto é a visita dos bugios, que em busca de alimento se aproximam muito da gente possibilitando belas fotos.

Durante o jantar tivemos uma companhia especial – Sérgio Reis, que estava na pousada para a gravação da novela se juntou à nossa mesa.

No dia seguinte parti bem cedo para Cuiabá para começar o longo caminho de volta para São Paulo. Mas certamente depois de tantos dias convivendo com tanta beleza a viagem foi muito agradável.

Dicas

  • Basicamente existem duas épocas bem definidas no pantanal:
    • Cheia (dezembro a março) onde devido ao transbordo do rio Paraguai praticamente toda a planície se alaga. É a melhor época para ver a flora, pois o pantanal está em sua plenitude, porém os animais ficam mais espalhados. Os passeios são feitos em barco e apenas as áreas mais elevadas estão secas.
    • Seca (junho a novembro) onde as águas se restringem aos leitos dos rios e os lagos começam a secar. É a melhor época para avistar animais, que se acumulam nas poucas lagoas que restaram. Praticamente se pode andar de carro, cavalo ou caminhar por toda a planície.
  • Os programas imperdíveis são nascer e pôr-do-sol.
  • No meio do dia é comum fazer o mesmo que os animais – tirar um cochilo.
  • Se você gosta de fotografar close-up não deixe de levar uma boa teleobjetiva, pelo menos 300 mm. Se sua câmera for compacta o zoom deve ter pelo menos 4 a 5 vezes.
  • Não esqueça do repelente, principalmente na época da cheia.

——
Serviços

Anaconda Turismo
Av. Isaac Povoas, 606 – Centro
(65)3028-5990 – (65)9973-0151 (plantão)
Cuiabá – MT
anaconda@anacondapantanal.com.br

Pousada Piuval
Rod. Transpantaneira, km 10
(065)3345-1338
Poconé – MT
pousadapiuval@vsp.com.br

Pantanal Mato Grosso Hotel
Rod. Transpantaneira, Km 65
(65)9981-3525 – Reservas (65)3614-7500
bwpant@terra.com.br

Araras Eco Lodge
Rod. Transpantaneira, km 32
(65) 3682-2800
contact@araraslodge.com.br

Jaguar Ecolodge
Rod. Transpantaneira, km 110
rejaguar@bol.com.br

Participe! Comente aqui